Untitled Document
ARTIGOS - Luto

 

Luto

Por Alexandra Bertani[1]

 

Luto é não somente a reação vivida frente à morte, mas também as manifestações ocorridas em outras perdas, como separações familiares, de amigos, conjugais, perda de um emprego, etc. Lembranças de valores emocionais também remetem ao processo de luto.

Inicialmente, esse processo acontece pelas recordações da perda aliada ao sentimento de tristeza e choro, mas a pessoa se consola logo após. Este é um processo que tem avanço, se as lembranças forem intercaladas com cenas agradáveis. Além destes sentimentos, o luto sofre algumas fases: choque, negação, raiva, depressão e aceitação.  Algumas sensações físicas como vazio no estômago e aperto no peito também podem ocorrer.

Durante esse processo, a pessoa passa por um falta de interesse pelo mundo exterior, culpa, angústia, revolta, baixa auto estima, renúncia, etc. A intensidade desses sentimentos vai depender do histórico de perdas. Com o passar do tempo, a pessoa vai se reorganizando, mas é um processo longo e as recaídas são comuns, principalmente em casos de mortes trágicas, como acidente, suicídio, assassinato, podendo haver uma fase de negação mais longa. A culpa e a revolta podem aparecer com mais intensidade.

Para superar o luto, é importante não minimizar a dor. É para senti-la com toda impetuosidade. Faz bem chorar, conversar sobre o assunto, ver fotos. É importante entrar em contato com a situação real, só assim a elaboração da perda é mais eficaz, chegando então na fase da aceitação. Outra coisa muito importante é se desfazer de objetos e roupas de quem morreu.

O processo considerado "anormal" tem duas reações opostas: ou a pessoa não sai do luto ou nem sequer entra nele (se mostra indiferente, age como se nada tivesse acontecido). Nesse luto "prorrogado", a dor fica guardada em algum lugar e um dia vem à tona.

 

Portanto a pessoa que sofreu a perda deve se permitir passar pelas cinco fases do luto e sofrer o necessário para a elaboração. Abale-se, negue a perda, sinta muita raiva, deprima e enfim aceite.

 

 

 



[1] Psicóloga Clínica, da Abordagem Cognitivo Comportamental.




Voltar para Artigos
Psicologia Mooca - Todos os Direitos ReservadosRua Tobias Barreto, 578 - Mooca - São Paulo - SP - Tel. 11 2601-8092 - Whatsapp +5511962757814